"Essa tal de Bossa Nova"

Bruna Ramos da Fonte e Roberto Menescal

Rocco/Prumo, 2012

 

Com prefácio assinado pelo escritor Paulo Coelho – além de apresentações assinadas pelo jornalista e escritor Nelson Motta, pelo compositor Ivan Lins e pelos cantores americanos Stacey Kent e B. J. Thomas – "Essa tal de Bossa Nova" reúne histórias da música brasileira contadas por Roberto Menescal, um dos criadores da Bossa Nova. O livro divide-se em dois momentos, sendo o primeiro dedicado às histórias da Bossa Nova e o segundo às histórias da MPB vividas por Menescal no período em que foi Diretor Artístico da PolyGram. 

As histórias de Menescal trazem os primeiros encontros entre aqueles que viriam a ser os protagonistas de um dos mais importantes movimentos da música mundial, os bastidores do histórico show no Carnegie Hall (Nova York, 1962) e o impacto daquela noite nas vidas dos envolvidos com o movimento. Esse evento mudou os rumos do gênero musical que nascera anos antes na timidez do apartamento de Nara Leão, musa da Bossa Nova.

 

Maysa, Astor Piazzola, Roberto Carlos, Dorival Caymmi, Villa Lobos, Sidney Magal, Alcione, Raul Seixas, Jorge Ben, Milton Nascimento e Elis Regina são alguns dos personagens dessas histórias.

 Revista Rolling Stone | Guia de Livros

por Antônio do Amaral Rocha

14 de Fevereiro de 2013

A trajetória da Bossa Nova vista a partir da memória de Menescal A autora Bruna Fonte realizou uma série de entrevistas com Roberto Menescal, um dos mais prolíficos autores e criadores da bossa nova. Com tratamento textual na primeira pessoa, é a partir das falas de Menescal que a história vai sendo contada. Revela-se que no início a vertente da bossa nova da qual participou ativamente o violonista Menescal era quase uma brincadeira de adolescentes que tinham em comum o gosto pelas pescarias e pelo mergulho, além de fazerem um tipo de música inédita até aquele momento, formatado a partir da união do samba com o jazz. Mas houve um momento, mais precisamente em 1962, que essa brincadeira quase amadora acabou se tornando uma coisa séria. A turma de Menescal, mais Tom Jobim, João Gilberto e outros, topou participar do célebre show no Carnegie Hall, em Nova York. Menescal conta que até não teve interesse em participar, porque tinha uma pescaria marcada. Histórias como esta permeiam o relato, que também dá conta da vitoriosa carreira de Menescal, violonista, compositor, diretor de gravadora e produtor em atividade até hoje.